A quantas andamos?

Daisypath Christmas tickers

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Convite à leitura I

Convite à leitura

E se um dia lhe viesse parar às mãos um livro cuja ação se passasse em 1961, com personagens chamadas Simão Botelho e Teresa de Albuquerque? Simão e Teresa no século XX? Deve ser engano! Tem razão em achar estranho pois estes são os nomes das personagens do Amor de Perdição, de Camilo Castelo Branco, mas o livro existe e a história é engraçadíssima.
Trata-se do romance Espingardas e Música Clássica, de Alexandre Pinheiro Torres (1921-1999), cuja ação se passa em Ribatâmega, nos locais por onde Camilo andou e que retratou nos seus romances. Estamos em plena ditadura de Salazar, a chamada Índia Portuguesa acaba de ser ocupada pelas tropas da União Indiana e a nossa rádio não tinha autorização para noticiar o assunto, passando apenas música clássica. Entretanto, os operários da fábrica do juiz aposentado Tadeu de Albuquerque, pai de Teresa, atreviam-se a fazer greve, sendo necessário chamar a GNR para impor a ordem e prender os agitadores. Adivinham agora quem era o cabecilha da revolta? Simão Botelho, pois claro, que irá parar aos calabouços, acompanhado de mais dois Simão Botelho, para grande espanto do leitor e confusão das autoridades. A explicação é simples: nas terras de Camilo, todas as famílias Botelho têm um filho Simão em homenagem ao escritor, porque, como explica o caseiro Serafim, pai de Simão, «todos nós, os de poucas letras, só lemos até hoje o catecismo e o Amor de Perdição».

É, portanto, um romance cheio de ironia, onde reencontramos personagens do Amor de Perdição encaixadas numa história em que se critica o salazarismo. Vale a pena lê-lo e, já agora, reler também o romance de Camilo Castelo Branco.



Ana Luz
AMOR DE PERDIÇÃO, Camilo Castelo Branco, Porto Editora
ESPINGARDAS E MÚSICA CLÁSSICA, Alexandre Pinheiro Torres, Caminho

Sem comentários: