A quantas andamos?

Daisypath Christmas tickers

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Coração de Tinta

Coração de Tinta (ou Inkheart), de Cornelia Funke, preencheu os meus últimos dias. Comprei-o porque tinha visto uma apresentação ou uma publicidade do filme na televisão mas só guardei uma ideia: falava de um leitor cuja voz dava vida ao que lia... Descobri que a autora era uma premiada escritora de livros de fantasia e não que era um texto feito para cinema (com a falta de qualidade que habitualmente têm). Tem cerca de 400 páginas que não se lêem depressa (e eu leio depressa...). Gostei, gostei muito mas vamos ver se vos consigo transmitir algo.
Meggie vive com o pai, Mo, que é restaurados de livros, numa casa cheia deles. No entanto, Mo nunca lê livros em voz alta e ela não sabe porquê. Além disso, a mãe desapareceu há tantos anos que ela nem se lembra delaa, apesar da foto debaixo da almofada do pai... Um dia, aparece um estranho misterioso a quem o pai chama Dedos de Pó e que, por sua vez, o trata por Língua de Feitiço... Vem avisá-los de um perigo iminente: será que conseguirão evitá-lo? A partir daqui, tudo se sucede desenfreadamente e há um sem fim de situações cujo desenlace não se adivinha sequer .
Está bem escrito, muito bem, mas é de fácil leitura. Fala do medo, do medo antigo trazido pelas histórias de fadas (ou dos contos tradicionais), em que o Bem e o Mal ocupam lugares opostos e não se misturam. Fala de maravilhamento e de coragem, do que podemos fazer pelos que amamos. O fim traz-nos um suspiro de alívio, apesar de alguns aspectos «mal resolvidos» (não há fins totalmente felizes, é o que este livro também nos ensina...) mas, e só descobri agora, ao procurar os links, é o primeiro de uma TRILOGIA!! Não posso esperar para saber mais!

domingo, 17 de maio de 2009

Manuel Alegre, Cão como nós




FICHA DE LEITURA

Identificação do livro:

Título: Cão Como Nós

Autor (es): Manuel Alegre

Editor: Dom Quixote


Aspectos paratextuais: a capa
1. Descreve resumidamente a capa do livro em questão.

A capa do livro Cão Como Nós contém o título, o autor, o editor, assim como o número da edição. No centro possui uma imagem (um cão branco com manchas castanhas, de raça épagneul-breton).

2.Associa a imagem da capa à história do livro.
A imagem da capa retrata um cão de raça épagneul-breton e está inteiramente relacionada com a história do livro, uma vez que esta é sobre a vida de um cão no seio de uma família. Cão este que o autor considera diferente de todos os outros, simplesmente porque lhe pertencia, tanto a ele como à sua família.

Resumo:
Trata-se de um livro auto-biográfico, que retrata um período da vida do autor e da sua família.
A história do livro é sobre um cão que era diferente de todos os outros. Era um cão rebelde, caprichoso e desobediente, que achava que não era cão e que queria ser como qualquer outro elemento da família. A família era constituída pelos avós maternos, os donos ou pais, por três filhos e pelo cão, que se veio juntar à família antes do nascimento da primeira filha. O seu nome era Kurika, nome inspirado numa história de Henrique Galvão. Kurika olhava a sua dona como uma mãe e sempre que achava que esta se encontrava em perigo, ficava aflito e protegia-a com grande amor, porque não queria perder novamente a sua mãe. Com os filhos, achava-se um irmão, mas a relação mais complicada era com o dono e escritor do livro, porque o cão não o achava um pai e nem ele o considerava como um filho, pois achava que cão é cão.
A relação entre o autor e o cão foi-se tornando cada vez mais forte, principalmente após Kurika lhe ter salvo a vida. Kurika apercebeu-se que ele tinha adormecido, esquecendo-se do café ao lume, pelo que fez muito barulho e começou a raspar a porta do seu quarto. Manuel Alegre acordou e foi apagar de imediato o lume e abrir as janelas da casa, ficando assim a dever a sua vida a Kurika. Apercebeu-se que, afinal, Kurika não era um cão igual aos outros.
Quando o avô morreu, todos sentiram muito a sua falta, especialmente Kurika, pois nos dias seguintes, ele continuou a enroscar-se junto à cadeira, como se ainda o sentisse e achasse que ele ainda não tinha partido.
Os anos foram passando e Kurika, assim como os filhos do autor, foram crescendo, até que o filho mais velho partiu para uma guerra no Afeganistão e o cão foi perdendo alguma agilidade. Até que, certo dia, Kurika teve um ataque epiléptico, tombando contra tudo e revirando os olhos. Foi ao veterinário e sobreviveu, o que era um sinal de que o cão ainda não queria morrer. Mas, ao segundo ataque não sobreviveu; por mais que quisesse continuar a viver para estar com a sua família, já não tinha mais forças para lutar contra a morte.
Manuel Alegre pretende transmitir aos seus leitores o quanto se pode amar um animal e a importância que este pode ter numa família.

Opinião pessoal
Aconselho este livro a todas as pessoas que gostem de animais mas, sobretudo, que gostem de uma história real e bonita
porque se trata de um livro que possui uma história surpreendente e algo comovente sobre um cão que, ao longo do tempo, foi perdendo a sua rebeldia e desobediência e afeiçoando-se cada vez mais às pessoas que o rodeavam e que tanto gostavam dele. Acho que quem tem ou teve cães irá de certeza reconhecer as alegrias, as tristezas e o companheirismo vivido entre esta família e o seu cão.

Um trabalho de :
Luís Martins
8ºD, Nº 18