A quantas andamos?

Daisypath Christmas tickers

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Um poema à sexta...

FRUTOS
Pêssegos, peras, laranjas,
morangos, cerejas, figos,
maçãs, melão, melancia,
ó música de meus sentidos,
pura delícia da língua;
deixai-me agora falar
do fruto que me fascina,
pelo sabor, pela cor,
pelo aroma das sílabas:
tangerina, tangerina.

Eugénio de Andrade

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Um poema à sexta...

AGORA AS PALAVRAS

Obedecem-me agora muito menos,
as palavras. A propósito
de nada resmungam, não fazem
caso do que lhes digo,
não respeitam a minha idade.
Provavelmente fartaram-se da rédea,
não me perdoam
a mão rigorosa, a indiferença
pelo fogo de artifício.
Eu gosto delas, nunca tive outra
paixão, e elas durante muitos anos
também gostaram de mim: dançavam
à minha roda quando as encontrava.
Com elas fazia o lume,
sustentava os meus dias, mas agora
estão ariscas1, escapam-se por entre
as mãos, arreganham os dentes
se tento retê-las. Ou será que
já só procuro as mais encabritadas2?


Eugénio de Andrade, O Sal da Língua, 2.ª ed., Porto,
Fundação Eugénio de Andrade, 1996


VOCABULÁRIO
1 ariscas – fugidias.
2 encabritadas – rebeldes.

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Semana da Leitura - programa


Programa da semana da leitura


Isabel Alçada na Ferreira

      Na passada sexta-feira 14 de fevereiro, esteve na nossa escola a escritora Isabel Alçada, que conversou com alguns dos nossos alunos. Muito dinâmica e extrovertida, manteve uma conversa animada com os nossos jovens, fazendo ela própria perguntas, de forma a orientar o diálogo, e relatando alguns episódios curiosos a propósito de questões que lhe foram sendo feitas. Assim, ficámos a saber coisas sobre a longa parceria com Ana Maria Magalhães, como decidiram começar a escrever a coleção «Uma aventura» (numa altura em que vieram revolucionar a literatura juvenil em Portugal, onde havia não existiam obras nacionais  dedicadas aos jovens) e qual o seu processo de trabalho. Ficámos a saber que o primeiro livro escrito em conjunto não pertencia a esta coleção, mas sim à «Viagens no tempo», com o título «Viagem ao tempo dos castelos», que, no entanto, não foi o primeiro a ser publicado, mas sim «Uma aventura na cidade». 
      Falou dos livros que mais gostou de escrever, conta como, por vezes, se embrenha na escrita noite fora até «ouvir os passarinhos lá fora» e como adormece a ler, deixando cair o livro. Houve ocasião para sabermos mais coisas sobre a Amazónia, a propósito do livro do mesmo nome, com a explicação que nunca escreveram nada sem conhecer o local de que falam. Ouvimos atentamente um relato desta viagem e pormenores que encantaram a assistência. Após a conversa, houve ocasião para conversar mais de perto com a escritora, enquanto ela assinava alguns dos seus livros, de entrega de alguns marcadores com citações da sua obra e troca de beijinhos, com alunos encantados com a disponibilidade e simpatia de Isabel Alçada. Este encontro com a escritora funcionou como lançamento da Semana da Leitura, atividade promovida pela Biblioteca em colaboração com o grupo de português.

 A apresentação esteve a cargo da professora bibliotecária, Maria dos Anjos Fernandes.


Panorâmica da sala cheia; turmas dos 7ºs C e G e 8º A, além de outros alunos e respetivos professores.


Troca de beijinhos com uma das nossas alunas durante a sessão de autógrafos.
  

Mural de trabalhos dos alunos alusivos à escritora e à Semana da Leitura, assim iniciada da melhor maneira.




Dia de São Valentim na Ferreira IV

Pudemos ainda observar alguns trabalhos de alunos do secundário, alguns deles inspirados nas metas da educação literária. São trabalhos que mostram a criatividade dos nossos alunos aplicada às aulas de português: 







Dia de São Valentim na Ferreira III

       Pormenores da exposição, com os belos cartazes feitos à mão pelas nossas colegas Carmo Simões e Cesilinda Oliveira, aposentada, mas ainda dedicada a estas andanças...






Dia de São Valentim na Ferreira II

 Para dar um toque especial a este dia dos namorados, para além da já habitual troca de correspondência «secreta» entre alunos, apresentou-se uma exposição sobre os lenços dos namorados, promovida pelo grupo de português e elaborada pelas professoras Carmo Simões e Cesilinda Oliveira, que nos deliciaram com os desenhos desta última e com um apanhado de várias informações interessantes: significado, exemplos, aproveitamento desta ideia tradicional.

 



 






Tradicionalmente bordados à mão, surgem hoje entre nós recriados em variados objetos domésticos:  
                         






sábado, 15 de fevereiro de 2014

Dia de São Valentim na Ferreira I


      O São Valentim é um santo reconhecido pela Igreja Católica e pelas igrejas orientais que dá nome ao Dia dos Namorados em muitos países. O nome refere-se a pelo menos três santos martirizados na Roma antiga.
       O imperador Cláudio II, durante seu governo, proibiu a realização de casamentos, com o objectivo de formar um grande e poderoso exército. Cláudio acreditava que, se os jovens não tivessem família, alistar-se-iam com maior facilidade. No entanto, um bispo romano continuou a celebrar casamentos, mesmo com a proibição do imperador. O seu nome era Valentim e as cerimónias eram realizadas em segredo. A prática foi descoberta e Valentim foi preso e condenado à morte. Enquanto estava preso, muitos jovens atiravam flores e bilhetes, dizendo que os jovens ainda acreditavam no amor. Entre as pessoas que atiraram mensagens ao bispo, estava uma jovem cega, Artérias, filha do carcereiro, que conseguiu a permissão do pai para visitar Valentim. Os dois acabaram por se apaixonar e, milagrosamente, a jovem recuperou a visão. O bispo chegou a escrever uma carta de amor para a jovem com a seguinte assinatura: “do teu Valentim”, expressão ainda hoje utilizada. Valentim foi decapitado em 14 de Fevereiro de 270.
        Entretanto, desde 1799 que esta data deixou de ser celebrada oficialmente pela Igreja Católica em função da precariedade de comprovações históricas que põem em causa até mesmo a sua existência. No entanto, ele é considerado o santo do dia dos namorados.

Fonte: Wikipédia (adaptado)

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Um poema à sexta...

Canção Para a Minha Filha Isabel Adormecer Quando Tiver Medo do Escuro

Nem sombra nem luz
Nem sopro de estrela
Nem corpinhos nus
De anjos à janela 


Nem asas de pombos
Nem algas no fundo
Nem olhos redondos
Espantados do mundo 

Nem vozes na ilha
Nem chuva lá fora
Dorme minha filha
Que eu não vou embora

António Lobo Antunes

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Imagens com livros...


Fotografia de Lori Nix, nova-iorquina fã de ficção científica. Criou um mundo pós-apocalítico na forma de dioramas, como um cenário teatral. É uma biblioteca provável...

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Imagens com livros

     Qual o poder dos livros sobre nós? Que efeitos nos causam? Tétricos, sangrentos, misterioso, volteando sobre nós, agarram-nos, enrolam-nos, deixam-nos noutra dimensão, seja ela bela ou horrível, através de poemas ou prosa...  

http://www.mladenpenev.net