A quantas andamos?

Daisypath Christmas tickers

domingo, 15 de março de 2009

A Rapariga das Laranjas

Ficha de leitura recreativa

* Identificação do livro

Autor: Jostein Gaarder

Titulo: A Rapariga das Laranjas

Editorial Presença


Após associação da imagem da capa ao título da obra, imagina o que vai ser a história narrada no livro:

A capa está associada ao tema, pois o livro intitula-se “ A Rapariga das Laranjas” e na imagem aparece uma rapariga com um saco muito grande de laranjas e algumas espalhadas mais abaixo. Deduzo portanto que esta será uma das personagens centrais e principais da história.

* Contracapa

o Selecciona a frase em que, em teu entender, melhor contribui para despertar o interesse pela leitura da obra.

“Nada o demove, nem a vastidão da cidade nem o facto de nada saber dela, nem sequer o nome.” Remete-nos para uma história de amor, daquelas histórias praticamente impossíveis, mas das quais não se desiste e se luta até ao fim. Outra frase que me despertou o interesse foi “Procura-a com todo o entusiasmo da juventude, enquanto imagina quem poderá ser, o que fará e qual a razão que a leva a atribuir um tão grande valor às laranjas que ele, desastradamente, fez rolar por terra nesse primeiro encontro.”, pois significa que a historia aborda um mistério que encanta e move o protagonista.

* Opinião pessoal

Aconselho este livro a pessoas que gostem de histórias sentimentais pois é uma história que é escrita de um pai para um filho, onze anos antes quando estava à beira da morte e, sabendo que ia morrer, escreve-lhe a contar aquilo que não seria possível contar em vida. É uma carta de amor, de mistério, de pura magia e, acima de tudo um hino à vida. Nesta carta recorre-se muito à valorização da vida, que não sabemos até quando vai durar, não sabemos o que o futuro nos reserva e devemos, assim, aproveitá-la ao máximo. Recomendo ainda a quem goste de histórias com conhecimentos científicos e algo reais, pois também estes estão presentes.

* Resumo

A Rapariga das Laranjas é nada mais, nada menos do que uma carta que um pai escreve ao filho que não poderá ver crescer. É ainda o relato na primeira pessoa de uma história de amor, que à primeira vista parece impossível mas que afinal não o é. É ainda um apelo à vida e ao proveito de todos os momentos ao máximo.

A história começa quando os avós de Georg lhe entregam uma carta escrita pelo seu pai 11 anos antes, quando estava prestes a morrer. O seu pai morreu quando ele tinha apenas 4 anos e, por isso, poucas memórias tem dele. De facto, ao princípio este não percebe o intuito daquela carta, que tanto sofrimento lhe traz. Mas à medida que a lê, apercebe-se que aquela é mais uma lição de vida que seu pai está a tentar ensinar-lhe, provavelmente a única.

Pormenor a pormenor, o seu pai vai descrevendo uma história de amor difícil e misteriosa. Mais misterioso é o inicio e o decorrer da historia, acabando por ser trágica.

Tudo começa quando, num eléctrico, Jan Olav repara numa jovem rapariga que transportava um enorme saco de laranjas, vestida com um anoraque amarelo. Mas após uma troca de olhares, ele comete o erro de a tentar “socorrer”, acabando porém por fazer tombar o saco das laranjas. A partir daí nasce um fascínio inexplicável, mas mútuo, entre a rapariga e o rapaz. A partir daí ele faz de tudo para a encontrar, tentado desesperadamente que isso acontecesse.

Foi assim que lhe foi contando grande parte das suas tentativas, mesmo as mais humilhantes e frustradas, as suas esperanças, os seus desejos, desconfianças (algumas bem absurdas), medos, ansiedades, sentimentos, tudo para encontrar aquela enigmática rapariga das laranjas… Depois disto voltaram a encontrar-se num café onde trocaram apenas olhares. Conseguiu encontrá-la num mercado, a escolher laranjas… e uma vez mais isto fez nascer novas suspeitas nele. Viu-a ainda na missa de Natal. No final, conversaram, com a chuva caindo sobre eles, numa conversa enigmática, rigorosa, com regras que mesmo sem serem expressados, ambos sabiam que existiam.

Durante essa conversa, ela propõe-lhe um acordo: o único possível acordo entre eles. Se ele estivesse disposto a esperar por ela durante 6 meses, então poderia estar com ela todos os dias dos 6 meses seguintes.

Assim, ele ia-se alimentando da esperança de mais tarde poder estar com ela. Porém, quebra o acordo e, no seguimento de uma suspeita que, embora fundamentada não deixava de ser arriscada, viaja até Espanha.

Aí encontra a rapariga das laranjas e, ao longo de uma conversa, desvendam todos os mistérios acabando por se envolver mais seriamente. Pouco tempo depois casam e acaba por nascer Georg. Tudo isto é descrito na carta mais pormenorizadamente.

Em comum, Georg descobre o interesse pelo espaço, pela ciência, que tanto fascinava o seu pai também.

Ao longo da carta ele vai mencionando alguns factos da sua vida com a mãe de Georg e posteriormente com ele também.

A carta é longa e Georg faz algumas pausas nas quais sai do quarto e se depara com a ansiedade e as perguntas dos familiares curiosos. Porém, este apenas lhes comunica que sim, poderão ler a carta, mas apenas passada uma semana… para ele ter tempo de reflectir sobre a mensagem que o pai lhe tentou transmitir e, também, responder à pergunta que ele lhe colocou: “Uma passagem breve pela Terra cheia de felicidade, mesmo sabendo que um dia iria morrer ou recusaria a oferta logo à partida?”

Luísa Pereira, nº14, 9ºF 2008/09

2 comentários:

liliana disse...

olaa. adorei ler esse livro, adorei mesmo... sem palavras para o descrever, simplesmente fantástico.

Anónimo disse...

gostei muito
um excelente livro
mas o resumo é um pouco incompleto